segunda-feira, 17 de junho de 2013

Matadouro Cinco, Kurt Vonnegut


Opinião: Existem dois aspectos principais que acabam por determinar a minha apreciação de um livro: a resposta emocional que me provoca combinada com o quão me agradou; e os seus méritos a nível literário. Infelizmente, este livro falhou um bocadinho no primeiro aspecto, o da resposta emocional que não conseguiu arrancar-me. Isso não quer dizer que o livro é mau, pelo contrário, é muito bom; apenas esperava que me emocionasse de alguma forma e não o fez, o que acabou por me desapontar.

O livro é enquadrado com um primeiro capítulo quase autobiográfico, do ponto de vista do escritor que quer escrever sobre a guerra, que acaba por enquadrar a obra toda. Para isto contribui ainda um par de aparições do autor na história de Billy Pligrim, em que reconhece que era ele a fazer tal comentário ou tal acção. E ainda a aparição de Kilgore Trout, quase um alter ego do autor. E são estes jogos que o autor faz que mais me agradaram. 

A história conta a vida de Billy Pilgrim, um rapaz que é soldado na 2ª Guerra Mundial e é feito prisioneiro de guerra. E o livro relata-nos momentos da sua vida, com o fio principal sendo a sua experiência na guerra, e intercalado com partes da vida de Billy que surgem aleatoriamente e cronologicamente desordenadas. É que Billy é volúvel no tempo, e se num momento está num campo para prisioneiros de guerra, no outro está em sua casa, 20 anos depois, já com uma filha casada. Esta narrativa não linear é muito interessante de seguir, pelo confusão inicial que gera, e pelo que faz à personalidade de Billy.

O tom geral que permeia a história é algo resignado, pelas características da vida de Billy, que ao conhecer como a sua vida se vai desenrolar acaba por ter uma atitude muito passiva na sua vida. O aparecimento de Trafamaldore e dos Trafamaldorianos acaba por o fazer reflectir acerca do livre arbítrio, e acho que Billy acaba por desistir de viver a vida e tentar mudar as coisas, ao conhecer o seu "destino", ou seja, o que vai acontecer, e que sente como imutável.

Por outro lado, o livro acaba por ser uma reflexão acerca da guerra, e da validade de enviar aquilo que são essencialmente miúdos para lutar na mesma, ao mostrar-nos a realidade de Billy, um jovem assustado, prestes a desistir de viver e incapaz de reagir às coisas que lhe acontecem. Mas até na vida entorpecida de Billy o autor consegue criar momentos de humor, e gostei disso. Mesmo a história que não tenha tido um grande impacto em mim, consegui apreciá-la pelas suas qualidades literárias, e vou querer voltar a ler o autor.

Páginas: 200

Editora: Bertrand

3 comentários:

  1. Tive de estudar esta obra este ano e foi um livro que se revelou, à primeira vista um pouco ambíguo, pelo menos em termos emocionais. Em termos de qualidades literárias, como dizes, é uma crítica à guerra e à participação dos EUA no conflito e não poderia ter estruturado de forma mais inteligente, na minha opinião. Acho que é um autor que merece atenção e também quero ler outras obras dele, especialmente o Breakfast of Champions.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também gostei muito da maneira como o autor estruturou a história, dá que pensar sem tirar o foco à experiência de Billy na guerra. Fiquei com a sensação que é um autor que faz as coisas de maneira muito mais interessante do que lhe dão crédito, e tenho aqui o Cat's Cradle para comprovar isso. :)

      Eliminar
  2. Special kinds of Flowers arrangement are ready to deliver to the doorsteps of your loved ones. Just visit to our online website thorough the link www.germanyflowershop.com and send Flowers to Germany.

    ResponderEliminar